Ocorrência no Estado

Safrinha 2016

O ambiente da safrinha 2016 caracterizou-se pela presença de adversidades climáticas marcantes. No início do ciclo das plantas, até o mês de abril, houve seca acentuada, com temperaturas bastante elevadas para o período do ano, chegando a ocorrer escaldadura das folhas do milho por calor em alguns locais, sobretudo em Ibirarema. A partir de maio, houve queda drástica da temperatura e período prolongado de chuvas, favorecendo principalmente a mancha de Phaeosphaeria ou mancha branca (P. maydis), que foi a principal doença em todos os locais, ocorrendo com severidade muito elevada. No período de 10 a 13 de junho, houve geadas intensas que causaram queima de folhas em parte dos ensaios.

Ocorrência principais doenças do milho no Estado de São Paulo – Safrinha 2016

palestra-gisele-doencas-safrinha-2016-site

Safra 2015/2016

Na safra 2015/2016 as condições climáticas não foram muito favoráveis ao desenvolvimento de doenças na maior parte do estado de São Paulo Apenas na região sul e centro/norte, ocorreram doenças em quantidade suficiente para que houvesse uma discriminação das cultivares. Foram avaliadas: mancha de Phaeosphaeria (Phaeosphaeria maydis) em Capão Bonito e Itararé (sul) e Mococa (centro/norte); ferrugem polissora (Puccinia polysora) em Mococa e Mogi Mirim; e queima de turcicum (Exserohilum turcicum)e mancha de cercospora (Cercospora zeae-maydis) em Itararé (sul)

A mancha de Phaeosphaeria ocorreu em alta severidade em Capão Bonito e Itararé e média em Mogi Mirim.

A ferrugem polissora ocorreu em alta severidade em Mococa e em média em Mogi Mirim. A queima de turcicum foi constatada em alta e a mancha de cercospora em média severidade em Itararé.

Ocorrência principais doenças do milho no Estado de São Paulo – Safra 2015/2016

palestra-doencas-2015-2016

 

Safrinha 2015

Na safrinha 2015, o ambiente foi favorável ao desenvolvimento da maioria das doenças, com chuvas razoavelmente bem distribuídas. As diferenças entre as temperaturas mínimas e máximas diárias foram relativamente pequenas, com muitos períodos com dias nublados. A incidência de doenças se deu em praticamente todos os ensaios. As que ocorreram com distribuição generalizada e maior severidade foram: mancha de Cercospora (C. zeae-maydis / C. zeina / C. sorghi var maydis) e queima de turcicum (Exserohilum turcicum). Foi possível observar a grande variabilidade das cultivares de milho safrinha quanto a resistência a mancha de Cercospora e a queima de turcicum.

Ocorrência principais doenças do milho no Estado de São Paulo – Safrinha 2015

palestra-doencas-safrinha-2015_assis_d

 

 Safra 2014/2015

Na safra 2014/2015 no Estado de São Paulo não houve condições favoráveis ao desenvolvimento de doenças na maioria das localidades, devido à baixa precipitação pluviométrica no período. Na rede de experimentação, apenas na região sul do estado e em um local na região centro, ocorreram doenças foliares em quantidade suficiente para que houvesse uma discriminação das cultivares. Foram avaliadas: mancha de Phaeosphaeria (Phaeosphaeria maydis) e mancha de diplódia (Stenocarpella macrospora ou Diplodia macrospora) em Capão Bonito, Itararé (sul) e Patrocínio Paulista (centro)

A mancha de diplódia ocorreu em alta severidade nos dois locais da região sul e mancha de Phaeosphaeria ocorreu em alta severidade em Capão Bonito e baixa em Itararé.

Ocorrência principais doenças do milho no Estado de São Paulo – Safra 2014/2015

palestra-doencas-estado-2014-15

 

Safrinha 2014

Durante a safrinha 2014, as temperaturas dos meses de junho, julho e agosto foram mais altas que as observadas na maioria dos invernos anteriores. Esta alteração climática proporciona a ocorrência de algumas doenças não comuns durante a safrinha, as quais são favorecidas por temperaturas mais elevadas. Por outro lado, a baixa umidade predominante nesta safrinha, não favoreceu o desenvolvimento de epidemias de doenças em alta severidade.

Houve incidência de doenças nos ensaios do Vale do Paranapanema e, na região Norte/Noroeste, apenas em Mococa. As doenças que ocorreram com distribuição generalizada no Vale do Paranapanema estão entre as comuns para esta época: mancha de Phaeosphaeria ou mancha branca (P. maydis), mancha de Cercospora (C. zeae-maydis / C. zeina / C. sorghi var maydis), queima de turcicum (Exserohilum turcicum) e mancha de Bipolaris (Bipolaris maydis) esta última em baixa severidade, como nos anos anteriores. Nesta região também ocorreram a ferrugem polissora em Pedrinhas Paulista e a mancha de diplódia em Iepê, ambas favorecidas por temperaturas mais elevadas.

Não se observou a ferrugem comum (Puccinia sorghi) de forma generalizada, como frequentemente ocorre na safrinha, provavelmente por ser favorecida por temperaturas mais baixas. Esta ocorreu com severidade muito pequena, apenas em Itararé, localidade ao sul do estado onde as temperaturas são comumente mais baixas que nos demais locais.

Em Mococa ocorreram as manchas de Phaeosphaeria e de Cercospora, embora com severidade muito baixa.

 

 

Ocorrência principais doenças do milho no Estado de São Paulo – Safrinha 2014

palestra-gisele-doencas-safrinha-2014-site

 

 Safra 2013/2014

Na safra 2013/2014 no Estado de São Paulo não houve condições favoráveis ao desenvolvimento de doenças, devido à baixa precipitação pluviométrica no período. Apenas na região sul do estado ocorreram doenças em quantidade suficiente para que houvesse uma discriminação das cultivares. Foram avaliadas: mancha de Phaeosphaeria (Phaeosphaeria maydis), em Capão Bonito e Itararé e mancha de diplódia (Stenocarpella macrospora ou Diplodia macrospora) e ferrugem comum (Puccinia sorghi), em Itararé.  A mancha de Phaeosphaeria ocorreu em média severidade em Capão Bonito e baixa em Itararé. A mancha de diplódia e ferrugem comum ocorreram em baixa severidade.

Ocorrência principais doenças do milho no Estado de São Paulo – Safra 2013/2014

Milho Verao 2013 14 - Doenças 13 14

 Safrinha 2013

Na safrinha 2013, o ambiente, durante grande parte do ciclo das plantas, foi desfavorável ao desenvolvimento de doenças nos ensaios, pela baixa umidade predominante. Houve maior umidade, em geral, a partir do estádio de enchimento de grãos a grãos leitosos. Em alguns ensaios do Médio Vale do Paranapanema, a quantificação de doenças e de seu efeito na produtividade foram parcialmente dificultadas pela ocorrência de ventos que causaram acamamento de plantas. Em outros locais, ocorreram geadas que acarretaram perda (Itararé) ou redução da produtividade dos ensaios (Palmital e Cândido Mota).

Houve incidência de doenças na maioria dos ensaios do Vale do Paranapanema e, na região Norte/Noroeste, apenas em Mococa. As doenças que ocorreram com distribuição generalizada no Estado foram: mancha de Phaeosphaeria ou mancha branca (P. maydis), mancha de Cercospora (C. zeae-maydis / C. zeina / C. sorghi var maydis) e queima de turcicum (Exserohilum turcicum), predominando uma ou outra, conforme o local.

A mancha de Bipolaris (Bipolaris maydis) ocorreu na região do Médio Vale do Paranapanema, em baixa severidade, mas em maior número de locais que nos anos anteriores.

Ocorrência principais doenças do milho no Estado de São Paulo – Safrinha 2013

 

Safra 2012/2013

As principais doenças que ocorreram na safra 2012/2013 no Estado de São Paulo foram: mancha de Phaeosphaeria (Phaeosphaeria maydis), mancha de cercospora (Cercospora zea maydis), mancha de diplódia (Stenocarpella macrospora ou Diplodia macrospora), mancha de bipolaris (Bipolaris sp.), ferrugem comum (Puccinia sorghi) e ferrugem polissora (P. polysora).

Nessa safra, a doença de maior frequência e severidade foi mancha de Phaeosphaeria, ocorrendo nas regiões Centro e Sul, em severidades altas a moderadas. A mancha de cercospora ocorreu nas regiões Sul, em alta severidade, e Centro, em menor severidade. A ferrugem polissora ocorreu em baixa severidade na região Oeste.

Ocorrência principais doenças do milho no Estado de São Paulo – Safra 2012/2013

Safrinha 2012

Na safrinha 2012, o ambiente no Estado de São Paulo foi favorável ao desenvolvimento de doenças pela umidade elevada que predominou durante a maior parte do ciclo das plantas. A quantificação de doenças nos ensaios e de seu efeito na produtividade foram parcialmente dificultadas pela ocorrência de ventos que causaram acamamento de plantas em grande parte dos ensaios no Vale do Paranapanema.

Houve ocorrência de doenças em todos os ensaios, sendo elevada na maioria deles. As que ocorreram com alta severidade foram: queima de turcicum, mancha de Cercospora e mancha de Phaeosphaeria, todas com distribuição generalizada no Estado, mas predominando uma ou outra, conforme o local.

A ferrugem comum, embora com menor severidade, também ocorreu de forma generalizada na Região do Vale do Paranapanema e Sul do Estado. A mancha de Bipolaris (Bipolaris maydis) ocorreu em plantas jovens na região do Vale do Paranapanema, embora sua intensidade não tenha evoluído no decorrer da cultura, da mesma forma que nos dois anos anteriores, provavelmente por ser favorecida por temperaturas mais elevadas que as da safrinha nesta região.

Ocorrência principais doenças do milho no Estado de São Paulo – Safrinha 2012

  Safra 2011/2012

 As principais doenças que ocorreram na safra 2011/2012  no Estado de São Paulo foram: mancha de diplódia (Stenocarpella macrospora), mancha de Phaeosphaeria (Phaeosphaeria maydis), mancha de Cercospora (Cercospora zeae maydis / C. zeina / C. sorghi var maydis), queima de turcicum (Exserohilum turcicum) e ferrugem comum (Puccinia sorghi).

Ocorreram com maior frequência, nos ensaios, nessa safra a mancha diplódia, mancha de Phaeosphaeria e ferrugem comum, principalmente nas regiões Centro e Sul, em severidades altas a moderadas. A mancha de Cercospora ocorreu nas regiões Centro, Sul e Vale do Paranapanema, porém com menor severidade que as demais. A queima de turcicum ocorreu na região Sul e no vale do Paranapanema, em baixa severidade.

Ocorrência principais doenças do milho no Estado de São Paulo – Safra 2011/2012