Material e Métodos

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO NO ESTADO DE SÃO PAULO

 

Procedimentos gerais da Avaliação Regional de Cultivares de Milho no Estado de São Paulo Sistema IAC/APTA/CATI/EMPRESAS

REGIONALIZAÇÃO DAS INFORMAÇÕES

Milho Verão: 5 regiões (Médio Paranapanema, Oeste, Norte, Centro e Sul);

Milho Safrinha: 2 regiões (Vale do Paranapanema e Norte)

 

TIPOS DE ENSAIOS:

Convencional = Cultivares convencionais (variedades e híbridos)

Transgênico = Híbridos transgênicos (Bt e, em alguns casos, resistentes  a herbicidas)

Superprecoce = Híbridos transgênicos superprecoces (Bt e, em alguns casos, resistentes a herbicidas)

 

DELINEAMENTO E PARCELA EXPERIMENTAL:

Blocos ao acaso com 3 repetições (Convencional) e 4 repetições (Transgênico e Superprecoce)

4 linhas de 5,0m de comprimento (útil = 2 linhas centrais)

 

ESPAÇAMENTO E POPULAÇÃO INICIAL:

Milho verão = 80 cm e 62.500 plantas ha-1;

Milho Safrinha = 80 cm e 55.000 plantas ha-1;

 

IMPLANTAÇÃO DOS ENSAIOS

Adubação com semeadora e distribuição das sementes com matraca;

1 semente por cova acrescentando 50% de sementes ou covas;

Adequação do estande até aos 21 dias após a semeadura.

 

ADUBAÇÃO DE SEMEADURA

De acordo com análise do solo, utilizando até 40 kg ha-1 de nitrogênio mais fósforo, potássio, enxofre e zinco para produtividade potencial em cada região e época de semeadura (milho verão = 8 a 12 t ha-1 e milho safrinha = 4 a 6 t ha-1).

 

ADUBAÇÃO DE COBERTURA

Apenas no milho verão, aplicando 80 a 120 kg ha-1 de nitrogênio e, em alguns casos, potássio e enxofre.

 

TRATAMENTO DE SEMENTES:

Convencional = CropStar (Thiodicarb + Imidacloprid)

Transgênico e Superprecoce = Cruizer (Tiametoxam)

 

TRATAMENTO FITOSSANITÁRIO:

Sem aplicação de fungicidas, exceto em dois transgênicos.

Com aplicação de inseticida apenas no ensaio convencional

 

AVALIAÇÕES

Caracterização dos ambientes;

Parâmetros agronômicos (análises conjuntas regionais em um e dois anos);

Incidência e severidade de doenças.