Ferrugens

Observadas com maior freqüência nas folhas, produzem pústulas caracterizadas por um ponto ou pequena mancha necrótica alongada, normalmente entre 0,2 e 5 mm de comprimento, com pequena elevação da epiderme, a qual se abre liberando os urediniosporos produzidos internamente.

DISTINÇÃO ENTRE AS FERRUGENS DO MILHO

Ferrugem
Patógeno
Sintomas
Condições predisponentes
Comum Puccinia sorghi
Pústulas alongadas cor marrom

distribuídas em faixas nas duas faces da folha

Temperatura amena
e alta umidade

Polissora Puccinia polysora
Pústulas ovais cor canela
com
distribuição homogênea na face superior da folha

Temperatura elevada
e umidade
elevada
Tropical Physopella zeae
Pústulas em grupos cor creme
ou
amarelada

Temperatura moderada a alta
e
umidade elevada
Fonte: Fantin et al. (no prelo)

FERRUGEM COMUM

Importância

Esta doença tem ampla distribuição na cultura do milho no país. É uma doença antiga, muito disseminada e bastante estudada. Nos cultivares suscetíveis, esta doença pode afetar significativamente o rendimento. É favorecida por alta umidade e temperaturas amenas, portanto mais importante nos primeiros plantios, principalmente da região sul, e nos plantios de milho safrinha.

Sintomatologia

A doença caracteriza-se pela presença de pústulas geralmente alongadas, de coloração marrom, principalmente nas folhas, nas duas faces, em discretas faixas transversais.

 

Ferrugem comum (Puccinia sorghi)

 

Controle

É feito, essencialmente, através do cultivo de materiais com maior resistência, complementado evitando-se o plantio de cultivares suscetíveis em épocas com temperatura muito amena, principalmente na fase vegetativa da cultura.

FERRUGEM POLISSORA

Importância

Esta doença adquiriu grande importância nesta década. É a mais agressiva e destrutiva entre as ferrugens do milho, podendo causar rápida necrose da planta. Tem sido mais danosa nos plantios mais tardios e nos de início da safrinha, quando ocorrem temperaturas elevadas. Pode disseminar-se amplamente em grandes áreas de monocultura com milho suscetível, levando à infecção precoce e maior severidade principalmente das culturas mais novas próximas às mais velhas.

Sintomatologia

Os sintomas são pústulas em toda a parte aérea da planta e, nas folhas, são densamente distribuídas pela superfície superior. São de cor canela, pequenas, circulares a ovais.

 

Ferrugem polissora (Puccinia polysora)

 

Controle

O método mais eficiente de controle é a utilização de cultivares mais resistentes. Se viável, pode ser auxiliado evitando-se plantios em extensas áreas de monocultura, principalmente se escalonados. Deve-se evitar o plantio de cultivares com maior suscetibilidade em regiões onde ocorrem temperatura e umidade elevadas.

Por se tratar de um patógeno biotrófico (sobrevive apenas em plantas vivas), o enterrio dos restos de cultura não se constitui num método de controle da doença.

FERRUGEM TROPICAL

Importância

A ferrugem tropical é de ocorrência recente no Brasil, e nos últimos anos se disseminou de forma a se tornar comum em muitas regiões do país. Sua severidade pode ser bastante alta em cultivares suscetíveis sob ambiente úmido e temperatura moderada a alta. É também algumas vezes denominada de ferrugem branca.

Sintomatologia

As pústulas são amareladas, podendo tornar-se com aspecto pulverulento esbranquiçado quando grande número de urediniosporos é liberado. Estas ocorrem em pequenos grupos, principalmente na superfície superior das folhas.

Ferrugem tropical (Physopella zeae)

 

Controle

É feito através do uso de cultivares de milho com maior resistência, em todas as épocas de plantio. Pode ser complementado, se possível, evitando-se plantios contínuos de milho em monocultura.
Voltar