Carvões

Causam desenvolvimento anormal dos tecidos pela formação de galhas ou soros, que são estruturas inicialmente cobertas por membranas, as quais se rompem liberando massas negras de teliosporos.

CARVÃO COMUM DO MILHO

Importância

A importância varia de local para local. Podem ocorrer sintomas em plantas isoladas até níveis de aproximadamente 10% ou até mais. O agente causal da doença é Ustilago maydis. Seu desenvolvimento é favorecido por períodos secos, com temperatura variando entre 26 a 34°C, principalmente quando a planta passa por um período de estresse na época do florescimento.

Sintomatologia

Os sintomas, na forma de galhas proeminentes recobertas por uma membrana branca, podem ocorrer em qualquer parte aérea da planta, sendo mais comuns nos grãos da espiga. O interior destes se transforma numa massa negra pulverulenta de esporos que é liberada mediante o rompimento da membrana envolvente.

 

Carvão comum do milho (Ustilago maydis)

 

Controle

Recomenda-se o uso de cultivares resistentes, evitar doses excessivas de nitrogênio, evitar ao máximo injúrias causadas por tratos culturais e realizar rotação de culturas.

CARVÃO DO TOPO

Importância

Esta doença, causada por Sphacelotheca reiliana, vem ganhando importância econômica, principalmente nos estados do sul do país. Ocorre também na região sul do Estado de São Paulo.

É favorecida por temperatura em torno de 21 a 28°C e moderada a baixa umidade do solo durante a germinação da semente e formação das plântulas.

Sintomatologia

Os sintomas são observados apenas na época de emissão das partes florais. As espigas tornam-se levemente arredondadas, com toda parte interna transformada em massa negra pulverulenta de esporos e filamentos enegrecidos. No pendão ocorre a formação de soros que também liberam esporos.

 

Carvão do topo (Sphacelotheca reiliana)

 

Controle

Uso de cultivares resistentes, evitando-se o plantio nos períodos em que prevalecerem temperaturas baixas. Também fazem parte do manejo a adubação adequada, principalmente nitrogenada no plantio, ou uso de esterco de galinha; a eliminação das plantas doentes antes do rompimento dos vasos, quando a freqüência destas plantas for baixa, e rotação de cultura por vários anos.
Voltar